[Resenha de Tinta] Pseudônimo Mr. Queen

*Booktour* Participe também clicando aqui
Autor: Loraine Pivatto
Edição: 1
Editora: Independente
ISBN: 9788590956013
Ano: 2015
Páginas: 404
Nota:05/05
Sinopse: O ano é 2012,Dia 21 de dezembroe a temida profecia maia acaba de se cumprir.Cidades devastadas,ruas vazias. A população mundial bruscamente reduzida e a estória dos sobreviventes começa a ser contada. Veja mais no skoob.

Olá Pessoal,
A resenha de hoje é sobre o novo livro da autora Loraine Pivatto, Pseudônimo Mr. Queen.
Há um tempinho atrás, a Loraine entrou em contato comigo via skoob, perguntando se eu gostaria de ler seu livro e me apresentou o projeto.
Com essa sinopse e título intrigante, não tinha como eu deixar de aceitar, além do quê, aqui no Mundo de Tinta sempre abrimos espaço para novos autores visando ajudar a divulgação da literatura nacional.
E então, no inicio de dezembro, o livro chegou.
#Resenha:
Pseudônimo Mr. Queen  é um livro dividido em 3 atos. Três mulheres da mesma família são as protagonistas da estória. Regina, Lara e Victória. 
Quem  começa nos contando a sua vida é Regina Brandão.
 Toda poderosa presidente dos Laboratórios Brandão, Regina vem tendo estranhos sonhos sobre o fim do mundo como conhecemos e a criação de uma sociedade igualitária e justa, mas no momento, ela acha isso tudo uma besteira, está mais preocupada com um bilhete que recebe, no dia do seu aniversário, 21 de dezembro, sobre uma atividade comprometedora de seu marido Maurício.
Decidida a tirar a estória a limpo, a moça vai ao encontro do marido e o encontra...
" E a profecia se concretiza"

A última lembrança de Regina é estar na sua sala da presidência diante do seu marido e de sua amiga Vanessa e agora ela acorda em um tipo de ginásio, ao lado de pessoas que não conhecem falando sobre o fim do mundo. Ela se levanta e sai a rua procurando Maurício e percebe que alguns prédios sumiram! 
A Av. Paulista está vazia e cheia de terrenos baldios. As construções estão sumindo e Regina começa a perceber que seus sonhos talvez não sejam só estranhos, mas reais.
Então, como conta a sinopse, a profecia Maia se concretizou, e Regina é uma das sobreviventes embora ela não saiba o porquê de ter sido uma das 650.000 mil escolhidas entre os 7 bilhões de habitantes da Terra. E o pior, além de sobrevivente, ela é  guardiã do segredo mais importante da nova existência: o da morte.
Nesse novo mundo, as regras são simples. Todos serão iguais. As diferenças sociais e econômicas não existirão, o dinheiro também não existirá, assim como não existirão doenças fatais nem mortes acidentais. O período de vida dos seres humanos serão divididos em 2 etapas: uma vida até os 70. Outra vida dos vinte aos 100 anos.Sim, você entendeu certo, aos 70 anos as pessoas "morrerão" e "renascerão" com 20 anos e viverão até aos 100 anos quando serão extintas. 
É claro que no inicio isso causa algum desconforto. Primeiro as dúvidas e depois a soberba e a vaidade humana dão as caras e fazem com que algumas pessoas não aceitem o socialismo implantado. Outros, mais radicais, ao invés de seguirem o padrão de igualdade, insistem em criar moradias de alto luxo. Não adianta. A cada criação fora do padrão, as coisas simplesmente somem. E a sociedade é obrigada a aceitar sua irmandade.
Toda vez que eu me proponho a resenhar um livro, eu tento usar da maior sinceridade possível, claro que de maneira que não denigra a obra ou o autor, afinal se propor e completar a escrita de um livro já é uma tarefa digna de aplausos. 
Então, não tenho medo de confessar que enquanto a vida de Regina se desenrolava, eu achei o livro bem morno e foi até difícil ler com entusiasmo, já que pela sinopse, eu esperava uma distopia na velha fórmula: sistema é criado-pessoas se ressentem- uma revolução é criada.
Mas embora algumas pessoas não aceitem o novo modo de vida, não há revolução, logo tudo caí em uma normalidade e a ansiedade dentro de mim já queria respostas. Eu queria saber o onde, o como  e principalmente o porquê, mas nada disso é apresentado.
Sim, ás vezes,sou!
Quando é criado o TUV, um sistema que avalia as pessoas de acordo com a sua evolução na sociedade, e o livro começa a mostrar a competitividade das pessoas, eu enfim percebi que eu tinha erroneamente classificado o livro. 
Ele inicialmente não era uma distopia, mas uma utopia, a criação do mundo perfeito, mas que aaos poucos é estragada pela ignorância humana que já que não pode criar diferenças sociais,  cria rótulos para as pessoas e as classifica por suas habilidades, só por status, já que a situação econômica não muda.
Nessa parte, entramos na vida de Lara. 
Lara é "neta"de Regina, e a nossa segunda protagonista e que terá sua vida muito influenciada em função desses rótulos. Ela mesma não liga para eles, mas quase todos a sua volta são dependentes deles; Inclusive seu casamento e consequentemente seu relacionamento com sua filha Vitória sofrem influência direta dessa ordenação e as posteriores escolhas da menina serão totalmente influenciados por esta, o que criará conflitos entre ela e sua mãe.
A parte da Lara apresenta um crescimento maior da trama, porque além de mostrar as singularidades da sociedade, começamos a acompanhar a  segunda vida de Regina e o segredo que ela guarda: a fórmula da morte.
Diferente do que foi mostrado na primeira parte cada vez mais  a possibilidade da morte começa a ser questionada pela sociedade. O que era apenas uma dúvida, começa a ser pensada. 
Preciso dizer que a parte da Lara me surpreendeu. De mocinha boazinha ela se transformou em uma protagonista forte, daquelas pessoas que no momento em que a vida dá uma rasteira, ela se ergue e levanta.
Já acabou, vida?
“Só há um tipo de amor que dura: o não correspondido.” (Neblinas e sombras).

Quando chegamos em Victória, é impossível largar o livro. A trama se transforma em um sci-fi investigativo e (quase) todas as respostas que eu ansiava lá no inicio do livro são respondidas.
E eu terminei  reconhecendo que a leitura que achei "morna" inicialmente se transformou em um livro inesquecível.
 É certo que a autora guardou todos os mistérios para o fim ( e bem fim mesmo!) de forma brilhante.  Todos os questionamentos se encaixam e o título faz total sentido.
De um modo geral,  Pseudônimo Mr. Queen é um livro questionador da sociedade humana, dos rumos que ela está tomando, da exaltação de algumas atividades em detrimento de outras e dos defeitos humanos.
Ao final da leitura é impossível não se fazer um reflexão e ao invés de meros onde, quando e porquê, eu percebi que a pergunta ideal era Como.
Como reagir, como se comportar , como mudar e principalmente: Como viver?
Tem certeza que você está vivendo de modo correto?
Questione, analise e se necessário, mude.
Agradeço a Loirane que me ofereceu a possibilidade de ao ler seu livro, fazer todos esses questionamentos e tentar de alguma maneira mudar o meu modo de vida.
Quer saber mais?
Assista ao booktrailer:

 Até mais,



26 comentários

  1. Oi! Tudo bem?

    Hum... Essa resenha me parece complexa! Não entendi muito bem do que se trata o livro xD É uma mistura de distopia, utopia e sci-fi?! Achei a sinopse beeeem interessante e fiquei empolgada para ler, mas, achei algumas coisas confusas. E com certeza eu seria igual você: ficaria esperando respostas para várias perguntas que se formulariam em minha cabeça.

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de sua proposta de apresentar e divulgar autores nacionais, mas sinceramente, não gostei muito da premissa da livro, também achei meio confusa a história que começa de um jeito e termina de outro, no fim não sei se é uma história de distopia/utopia ou um mistério policial sci-fi, acho que vou passar a dica.
    Beijos

    http://poyozodance.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da história do livro Pseudônimo MQ, mas confesso que a resenha ficou um pouco extensa e meio misturado, fazendo perder o fio da meada.

    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  4. Menina, pelo título eu achei q ia ser um hot bem xexelento, quase caí pra trás ao ver do que se tratava. Huahahuaha...
    Acho que se eu conseguisse passar do ato da Regina eu ia gostar bastante do livro, mas fico um pouco com o pé atrás, pq costumo largar livro q não me prende, e pelo que vc falou eu me entediaria horrores com a história da Regina, não ia conseguir passar pras outras duas. Huahahuaha

    ResponderExcluir
  5. Oi Luana, sinceramente? Achei o livro confuso. Sua resenha está, ótima bem formulada, explicadinha, pelo que eu pude perceber a história do livro é que é confusa mesmo. Então, o livro me parece ser uma distopia mesmo, pois existem vários tipos de distopias e a que você descreveu é uma "distopia falsa utopia", tipo matrix, mas achei alguns aspectos surrealistas demais. Não, acredito que leria a obra.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Luana, eu li esse livro faz pouco tempo e também gostei bastante, achei um pouquinho complicado em alguns momentos mas a história em sia é muito boa, uma das poucas distopias que eu posso dizer que gostei.

    ResponderExcluir
  7. Ola lindona confesso que a sinopse do livro não me chamou atenção, mesmo com duas protagonistas se destacando bem, acho que estou em uma fase de romances no momento. Quem sabe leio em outra hora. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Ok... Assumo que não consegui entender muito bem a ideia. Me pareceu ser uma distopia, mas apresenta também características mais específicas de outros gêneros. Também não sou lá muito fã dessa coisa de marasmo e, se a primeira parte é mesmo como você descreveu, possivelmente eu também não ficaria muito animada. Gostei da transformação de Lara, acredito que ao ler sobre essa personagem eu ganharia novo fôlego para continuar a leitura. E Victória realmente seria o ponto alto.
    Pensando aqui, talvez essa tenha sido a intenção da autora, fazer uma gradação evolutiva de personagens, da mais frada à mais forte, surpreendendo com o meio e eletrizando o leitor com o final.
    Conchego das Letras

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Eu sou super fã de livros que contem o fim de mundo, rsrs, parece ser um pouco ingênuo da minha parte mas eu ficava c medo dessa professia acontecer de verdade. Kkk. Mas que bom que tudo acabou tudo bem. Falando sobre o livro, ele parece ter uma escrita bem bacana e vou anotar a sua dica para futuras leituras.
    Bjks

    ResponderExcluir
  10. Olha já vi várias resenhas desse livro pelos blogs e tipo, eu até fiquei interessada em fazer a leitura dele, mas agora lendo a sua resenha eu acabei desanimando, porque eu também fiquei me perguntando sobre as idades das pessoas que tem que morrer aos 70 anos e aos 100. Porque? Como é isso? Entende? Eu gostaria de ter uma explicação e não sei se o livro faz isso. Até porque tu mesma comentou que algumas perguntas você teve e não foram respondidas e isso deixa a gente meio que desanimada mesmo. Mas mesmo assim eu adorei a maneira como tu abordou tudo na resenha e pela sua sinceridade também. Eu até que leria o livro para poder conhecer, porque eu como você também gosto de dar espaço para autores nacionais em meu blog e espero poder ajuda-los o quanto eu puder. =]


    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/01/dia-de-quote-18.html

    ResponderExcluir
  11. É a primeira resenha que eu leio da obra, e confesso que fiquei decepcionada com suas considerações. Eu adoro distopia, então saber que a leitura é morna me desagrada um pouco. Não sei se leria a obra no momento, mas quem sabe mais adiante não dê uma chance?
    A premissa até que é interessante, mas prefiro não arriscar no momento.
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  12. Oii!!!
    Não conhecia o livro nem a autora,e no momento estou curtindo bastante esse gênero distopico (pra mim ele se encaixa como distopia),e fiquei super interessada na estória!!!
    A sinopse e sua resenha me deixou na curiosidade do inicio ao final...E a pergunta que não quer calar,Que mensagem tinha no bilhete? E o que acontecer qnd ela vai encontrar o marido? E porque ela? Super curti mesmo esse livro...só não me agradou a capa..pra mim não condiz com a estória!!!

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2016/01/titulo-fragmentados-autor-neal.html

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    A capa não me atraiu, mas depois de ler sua resenha e conhecer mais o enredo, achei bem interessante. Por isso que dizem, não julgue um livro pela capa. Rs. Não conhecia a autora, mas gostei da premissa do livro, e gostei mais ainda dela ter dado respostas no final da histórias. Gostei da dica.

    beijos
    http://livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá, eu já tinha visto algumas resenhas desse livro então por isso eu sempre tive vontade de ler esse livro mas nunca tive oportunidade, espero conseguir lê-lo esse ano e ver se realmente vou gostar dele. Mas confesso que sua resenha me cativou a ir atrás o quanto antes, parece incrível!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho visto umas publicações no Insta sobre este livro, mas a sua resenha é a primeira e está super completa. Realmente a sinopse é bem chamativa, quem não tinha medo de 2012? Mas confesso que fiquei um pouco confusa com tanta personagem que acontece de formas diferentes e teria que ler o livro para ver como acontece tudo de verdade, mas como você diz que tem momentos que não é algo que prende a leitura, isso já não é um fato muito positivo, mesmo assim eu daria uma chance!

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  16. Olá,
    Assumo que a capa não me atraiu quando eu vi. Achei simples, mas com um nome curioso. Eu já tinha visto o livro anteriormente, mas não tinha parado para olhar a sua sinopse e caramba, o livro parece ser muito bom. Fiquei super curiosa para descobrir esse novo mundo e conhecer mais das personagens. Apesar do meio do livro ficar morno, como você disse o fim é eletrizante. Curiosidade a mil aqui kk'.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
  17. Nunca fui muito curiosa com essa obra, e agora que ficou mais claro o lado utópico na sua resenha eu achei meio falho, pois se tudo que tratasse de desigual fosse destruído de algum modo alguém fez isso, e é uma verdade universal que é impossível o homem viver em igualdade plena, pois a competição é algo natural do homem. Que pena que a primeira parte da história é chatinha e só fica realmente interessante na parte final, pois se é um livro maior a pessoa larga mesmo.

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Oi Luana,
    Esse livro é no mínimo instigante. São tantos os mistérios. Em uma hora Regina vivia a sua vida normal, e no outro foi transportada para um mundo que acreditava que só existia em sua mente, isso é bem perturbador, e é claro que a curiosidade leva a querer saber mais. Fico feliz que o livro tenha feito o seu efeito positivo durante a leitura, é uma história que realmente merece uma atenção.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  19. Menina, a Av. Paulista vazia e cheia de terrenos baldios é algo verdadeiramente assustador! Não conhecia a obra e, sinceramente, não chamou a minha atenção. Até achei interessante o fato de o livro, ao final, nos levar a uma reflexão sobre como estamos vivendo, mas a verdade é que, até chegar aí, achei as coisas um pouco confusas. Dessa vez deixarei passar a dica!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  20. Já via esse livro por aí, mas ainda não havia chamado minha atenção. Aí, lendo o que você escreveu, em certo ponto você diz que o livro passa de morno a inesquecível. Caramba, que virada. Pronto, fiquei curiosa. Adorei também a parte onde você fala das reflexões que o livro trouxe. Me ganhou, ponto. Eu também quero ler.

    ;D
    Profissão: Leitora

    ResponderExcluir
  21. Oi, tudo bem?
    Essa estória parecer ser de muitos mistérios, mas mesmo assim que não me atraiu o suficiente. Acho que a estória pode e deve ter seus pontos positivos, mas fiquei meio receosa por achar alguns pontos citados fracos. Mesmo assim, não pretendo descartar a leitura, apenas não será algo imediato. Como você disse que o livro traz reflexões, talvez eu adiante um pouco a leitura dele pare encontrá-las.

    Beijos,
    Andy!

    ResponderExcluir
  22. Olá!
    Interessante o livro viu? Eu não curto as distopias, nenhuma Até hoje. Essa eu não leria mas sem dúvidas recomendaria para amigos que curtem essa pegada política social do livro. Adorei sua citação do John lennon, menor foi um grande questionador, além de deslumbrante escritor, poeta e compositor.
    Bjss

    ResponderExcluir
  23. Já conhecia o livro de nome e achava que seria uma distopia com a velha formula - e por isso já não estava com muita vontade de arriscar a leitura - distopias não são minha praia.
    Mas gostei de saber que o livro é questionador, que traz algumas reflexões e deixa um monte de perguntas para trazermos para o dia a dia e ver se estamos no caminho certo.
    Gosto quando um livro prende o leitor e o faz rever suas atitudes ao terminar o livro e pelos seus comentários me pareceu que é isso que Pseudônimo Mr. Queen consegue fazer...
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  24. Olá

    Conheço o livro e a autora,gosto da escrita dela e amo distopias,esse é um livro que indico pra todo mundo que curte o gênero.

    Bjss

    ResponderExcluir
  25. Oiie, já tinha visto algumas resenhas sobre esse livro, apesar de achar uma graça a capa eu não consegui entender muito bem o que se trata ele :s essa estória de morrer e depois voltar com outra idade e viver até um certo tempo me deixou um pouco confusa rsrs Esse ano quero iniciar leituras em com gêneros novos, e um dos gêneros é distopia, quem sabe posso começar por ele para sanar as minhas dúvidas e confusões.

    Bjs

    ♡ Amantes da Leitura

    ResponderExcluir
  26. Olá ,eu já conhecia este livro, por outro blog que li a resenha hoje. A capa eu Nao gostei muito , mas achei sensacional a estória e depois de ler duas resenhas desse livro no mesmo dia. Fiquei com uma super vontade de conhecer melhor a estória .
    Você está certa é sempre bom propagar a literatura nacional !
    Beijos

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo comentário!